quinta-feira, 13 de março de 2014

Vá Com Deus


Meu telefone toca pela décima vez. É ele de novo. Suspiro enquanto me pergunto se é muito difícil entender que não quero manter contato. A gente bloqueia, não atende, não retorna, não responde e a criatura não desiste. Respiro fundo e conto até dez, só para não atender e ouvir mais uma das suas desculpas.

E nem preciso atender pra saber o que ele quer. O discurso vai ser o mesmo; "Eu te amo" "Vai ser diferente agora" "Volta pra mim". Querido, já dei um monte de chances e você não aproveitou. Aquele discurso de que a gente só da valor quando perde é até verdade. Mas uma vez já deveria ter sido o suficiente para você me dar o meu valor e mudar. Não precisava de mais do que uma segunda chance.

Não é porque sou coração de pedra ou porque gosto de pisar nas pessoas. Não é mesmo. Uma hora a gente cansa, sabe? Cansa de tentar fazer mudar, cansa de tentar conversar, cansa até mesmo de tentar outra vez. Principalmente quando a gente sabe que não vai mudar, não vai ser diferente. Eu ainda vou ficar chateada, vou sofrer e me arrepender amargamente de ter voltado. Chega disso.

Mais uma mensagem chega e ele me diz que me quer de volta, que sou o amor da vida dele e que não pode mais viver sem mim. Rá, me explica então, meu bem, quem é aquela nas fotos do seu facebook? Tenho vontade de perguntar, mas me calo. Isso só vai fazer você falar pra sempre com mais desculpas.


 O telefone toca mais cinco vezes e mais 10 mensagens chegam. Me lembro de tudo que você já me fez ou disse, o jeito que me tratou e das coisas que você aprontava. Mentalmente repasso o modo com que outros que nunca foram tão importantes para mim me trataram e é inevitável não comparar com você e perceber o quanto perdi meu tempo ou me rebaixei por você. Pra nada. 

Olho para o celular e admito que sinto um pouquinho a sua falta. Pego ele e começo a escrever uma mensagem. Digo que quero sair e quem sabe namorar. Não pra ele, é claro. Tá na hora de seguir em frente. Esquecer você e me divertir um pouquinho. E se sentir saudade, meu amor? Bem, isso não é mais problema meu.

Thalyne Carneiro


Postar um comentário