quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Nossa Oração


Ele me beija e eu sinto meu coração bater mais forte, enquanto peço a Deus pra parar com isso, porque não quero gostar dele. Ele deve dar uma risada gostosa quando escuta essa minha oração, porque escuto o sussurro de "É tarde demais, minha filha" cada vez que meu corpo inteiro se arrepia com o toque dele.

Ele me bagunça por dentro e eu desajeitadamente vou indo atrás tentando botar tudo no lugar. O espertinho foi se instalando devagarzinho igual parente distante. Foi ficando, foi ficando e quando dei por mim, ele já tava lá, se sentindo em casa e deixando tudo como queria. E eu, impotente, só pude olhar enquanto ele mudava tudo e no fim até achei que tava bom.

As ausências passaram a ser dolorosas. Parece que o tempo se encarregou de passar mais devagar só pra me matar de ansiedade e me deixar frustrada por ser tão ocupada. Mas cada segundo da companhia dele, mesmo que curtos demais pro meu gosto, valem a pena. Ele me faz até ter ciúmes, acredita? Isso é uma coisa surreal na minha existência. Pensar que talvez a companhia de outro alguém seja melhor que a minha me tira o fôlego e faz meu peito ficar pequeno demais com a agonia do pensamento. 

Os dias -  mesmo raros - sem notícias me entristecem. Percebo que me preocupar com você virou rotina e que não tenho sossego enquanto não tenho certeza que tá tudo bem. Sei lá, a gente se fala tanto que já acostumei. Não enche o saco, não é cansativo. Só parece que a gente faz isso há anos e que é normal pelo menos passar pra dizer um oi.

Enquanto ele bagunça o meu cabelo, brinca sobre os filhos que nem sabemos se vamos ter juntos. Ele descreve um time de vôlei, enquanto eu penso na gritaria que seria a casa, mas na alegria que resultaria essa casa lotada. Ele fala no meu ouvido sobre dormir e acordar do meu lado e eu penso se ele vai me aguentar o suficiente pra gente fazer isso juntos. Ele me conta da vontade de ter uma casa com quintal e uma rede na varanda pra nós dois e tudo que eu consigo fazer é suspirar e pedir aos céus pra que possa dar certo.


Penso em nós dois e só consigo sorrir. Me sinto leve e acho que a gente até pode dar certo e nem é só pelo pensamento que combina e o corpo que se encaixa. Você me dá vontade de remar por nós dois e se o barco afundar, de nadar junto até nosso porto seguro. Sei que se a gente se esforçar, tudo vai ficar bem.

Espero a gargalhada de Deus cessar, enquanto os braços dele enroscam na minha cintura e meus olhos se fecham para mais uma prece. Que dure e que tenha amor, eu peço à Ele. E ele me responde: "Isso é com vocês, minha filha".

Thalyne Carneiro
Postar um comentário