segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Eu e você


Meu corpo inteiro relaxa enquanto suspiro de contentamento. Inevitável não sorrir sentindo o seu cheiro tão perto de mim enquanto passo a mão pelo seu cabelo. Você olha para mim e me dá um sorriso, ao mesmo tempo em que aperta a minha perna. Me sinto no paraíso. Nessas horas acho que meu peito não vai aguentar tamanha felicidade ou os batimentos frenéticos do meu coração. É tanta leveza que sinto na alma, que se fosse possível, eu estaria flutuando pelo menos há um palmo do chão.

O mundo vai ficando em silêncio. Parece que Deus resolveu apertar o botão de mudo só para mim, para me dar o presente mais fantástico que só ele poderia fornecer: alguns minutos de nós, mesmo que esse "nós" nem exista de verdade. De repente não há mais ninguém ali. Não escuto nem sinto mais nada que não seja você. Me pego te olhando com um sorriso bobo na cara e pensando que devo ter feito alguma coisa de certo na vida para você ter entrado nela.

Passo a mão na sua barba por fazer, sentindo cada pelo arranhando os meus dedos, enquanto observo você entortar a cabeça na direção da minha mão e fechar os olhos por alguns segundos. Esse gesto me parece tão natural que me pergunto se não somos realmente um casal daqueles que vão envelhecer juntos e ter um milhão de netos. Se for isso mesmo, espero que todos com o seu cabelo preto e os meus olhos castanhos claros, para mostrar o quanto é bonito e parece certo a combinação de nós dois juntos.


Você olha para mim, sorri e respira fundo. Sorrio de volta e me pergunto o que será que você está pensando e porque ficar em silêncio perto de você é tão fácil. Olho nos seus olhos e te digo algo com os meus. Não sei como, com uma mínima mudança na sua expressão, entendo sua resposta mesmo que muda, por que já conheço cada parte de você. Mas então alguém fala com você e meu transe é quebrado.

Mesmo assim não nos mexemos. Minha mão vai para o seu cabelo e sua mão desliza para a minha batata da perna. De nós, passamos a você, eu e o resto do mundo. A pausa é desfeita e tudo ao redor aumenta de volume e ganha movimento, ao mesmo tempo em que enxergo a verdade irrevogável da qual tanto corri e me escondi. Sou sua e espero sinceramente que você saiba disso. Porque não tem mais nada no mundo que eu queira tanto quanto quero você. 

Thalyne Carneiro


Postar um comentário