terça-feira, 17 de abril de 2012

Sobre a Minha “Solterice”



As pessoas costumam me perguntar com bastante frequência, qual é o meu problema em não querer um relacionamento sério com alguém. Eu sinto que essa pergunta não é necessariamente uma forma de se meter na minha vida. Na verdade, percebo que isso é apenas uma forma de se preocupar comigo, isso não é normal em meninas da minha idade.

Não, eu não sou amargurada. Apesar de não acreditar em coisas como “príncipe encantado”, eu acredito no amor verdadeiro, em famílias felizes e coisas bem “fofas” assim. Acho também que as pessoas têm a sua metade da laranja e a tampa da sua panela, e tantas outras metáforas clichês para o amor.

O fato é que eu não quero sentir aquele frio na barriga nem as mãos suadas por ver alguém. Não de novo. Não quero deixar aquela sensação boa de amar alguém me dominar. Todo mundo pode dizer que é mentira, mas o amor realmente nos deixa burros. Sim, leitor, ele atrapalha o nosso discernimento e se você também já amou alguém você sabe disso. Não quero dedicar um tempo relativamente longo da minha vida a alguém que vai embora depois.

Gosto da minha própria companhia, e de ficar sozinha. Não tem nada de errado nisso. Mas confesso que sinto às vezes aquela pontada dolorosa em ver casais juntinhos em dias frios ou aquela decoração de corações e tons de rosa que invadem as ruas perto dos dias dos namorados.

Ser solteiro pode ser um problema em algumas situações. A prova disso é quando todas as suas amigas estão namorando. Elas acham que têm a obrigação de arrumar um namorado para você porque têm pena de você. E os jantares em família, então? Sempre rola a pergunta daquela sua tia sobre a falta de uma metade e a cara de óbvia compaixão.

A verdade é que me sinto feliz com essa resolução. Não vejo nada de errado em não querer namorar ainda. Por que não? A vida não se baseia só nisso. E é claro que eu quero um amor para a vida toda, quem não quer? Mas enquanto ele não aparecer, eu é que não vou encher meu coração de falsas esperanças. Ele merece um descanso. Mais que isso, ele precisa. Não vou negar isso a ele.


Thalyne Carneiro
Postar um comentário