quinta-feira, 10 de abril de 2014

A minha calmaria


Meu coração respira alegria e se enche de amor. Mal posso acreditar que depois de tanto tempo, alguém apareceu e me fez tão bem. Até os dias resolveram combinar com o meu humor, pintando o céu do azul mais bonito que essa cidade já viu, ou talvez seja eu que ando vendo demais. Talvez quando a gente esteja alegre, o bom humor provoca uma espécie de cegueira, porque desde que ele chegou, não consigo mais enxergar as coisas feias.

Sempre fui muito espertinha, sabe? Depois que tive meu coração partido, não é qualquer malandro que mexe comigo. Essa história de que é só tratar bem que leva não funciona. Aliás, tratar bem é o mínimo que você deve fazer, meu amor. Não sou qualquer uma. Comigo tem que ser homem de "responsa". Não conte que pelo meu jeito meio solto e brincalhona aceito qualquer coisa. Acima de tudo sou uma mulher e pra me ter do lado tem que merecer.

Tô acostumada com essa galera atrás de mim. Já vem montando banca, fazendo jogo, achando que sou enrolada fácil, mas ele não. Era só o casinho da vez que ia me dar uns dias de alegria. Me enganei bonito. Você veio no sapatinho e foi me deixando encantada. Aos poucos me mostrou que esse seu jeito meio durão esconde o homem que quero pra mim. Com ele me sinto segura e sei que ele pode ser o que eu tenho esperado durante tanto tempo pra largar essa vida do desapego.

Antes eu nem cogitava a ideia de me apaixonar, achava que esse coisa de estar ou não apaixonada era questão de ligar ou desligar um botão, como se fosse um modo silencioso programado no meu coração. Então ele me apareceu, desligou o vibracall e colocou a bateria inteira da Mangueira para tocar quando ele me chama. Desarmou minhas defesas e agora me vejo incompleta sem ele.


 Depois de tanto tempo, me vi finalmente sentindo aquela sensação gostosa de só sentar na prancha e ficar ali no meio do mar. Aqueles minutos em que se espera a onda perfeita e só sente a paz do momento. Nada de dar braçadas ou me equilibrar para não cair. Parece que você trouxe a sua tranquilidade da vida pra mim e tudo que tenho que fazer é relaxar e aproveitar o balanço calmo da água.

Não sei ainda quanto tempo vai durar ou se vai durar. Resolvi deixar rolar, sabe? Deixa ele ficar só mais um pouquinho.Não precisa ser o homem da minha vida ou o pai dos meus filhos, só fica. Me mostra que esse seu jeito tranquilão de levar a vida vai fazer bem ao meu coração. Minha alma agradece essa calmaria. E se não der certo? Bem, já aprendi a remar há muito tempo.

Thalyne Carneiro


Postar um comentário