quinta-feira, 11 de abril de 2013

Balada dos solitários


Conto até dez antes de mandar o último sms, A minha última palavra para você. Minha última resposta. Meu último ponto final para uma coisa que você nem sabe que acabou. Depois disso o silêncio. As mensagens chegam, o telefone toca, a janela do facebook pisca, avisando que tem mensagem sua. Não respondo. Depois de um tempo você desiste, ou em casos raros, vem atrás de mim. Cara de jogador de pôquer, desculpas vazias e fim da história. Mais um amor tem um fim. Mais uma história que nem começou, acaba.

Fama de mulher canalha e um número considerável de pretendentes. Eles nunca sabem o que vai acontecer e quando descobrem, ganho a fama de sangue frio, cruel, ou má. Viro a vilã da história em segundos. Quem vê essa fachada de confiante, não sabe o quanto dói ver um coração quebrar na sua frente. Ver um sorriso murchar e a vontade ingênua de mostrar para mim nas redes sociais que já "estão em outra" ou que não dói sentir o "pé na bunda".

Não que eu me arrependa da decisão, "mandar pastar", como eu carinhosamente chamo, é a minha forma melhor de não alimentar esperanças, não fazer o pobre rapaz cogitar a possibilidade de me tornar o nome linkado do "em um relacionamento sério com" do facebook. Ou evitar que as suas mãos comecem a ficar geladas e seu estômago com borboletas só de pensar em mim. Não quero fazer isso a ninguém. De verdade.

Acontece que meu coração criou resistência a querer alguém, só de pensar nele disparando por um sorriso, meu peito dói, se recusa e foge desesperado para se esconder na segurança das minhas costelas. Me pergunto o que será pior, amar sozinho ou não amar ninguém. A solidão soa mil vezes pior quando a gente sabe que não é por escolha e que não pode ser revertida. Isso é desesperador.

Mas sabe aquele vazio no peito? Aquela sensação de que falta alguma coisa? Vou te contar um segredo: ela nunca passa. A gente tenta se iludir, dizendo que ficar só é maravilhoso (em algumas coisas realmente é muito bom), mas nunca é tão legal. A falta de alguém para mandar uma sms de boa noite nas noites frias ou alguém pra te abraçar porque você teve um dia difícil, incomoda e fica te cutucando para lembrar que a solidão nunca é satisfatória.


O que me conforta é saber que tem gente no mesmo barco que eu. Gente que prefere ficar só a sofrer em um relacionamento unilateral ou se amarrando em alguém, que a gente simplesmente sabe que não vai dar certo, só para não ficar sozinho. Gente que apesar dos pesares só tá esperando a pessoa certa, mesmo que isso signifique encontrar com alguns errados pelas esquinas do acaso. Ficar sozinho nunca é fácil, é preciso coragem. E acima de tudo esperança. Esperança de que de errado em errado, acabaremos topando com o "certo" por aí. Mas quando estivermos prontos, simples assim.


Postar um comentário